ZMA – Desempenho muscular e aumento de massa

ZMA – Desempenho muscular e aumento de massa

O suporte nutricional é importante para a construção da base para músculos fortes, e para garantir a recuperação e o conforto muscular.

O zinco e o magnésio são minerais importantes em muitas vias metabólicas e processos enzimáticos que afetam a força muscular, a função e a energia. A deficiência desses minerais pode afetar o desempenho e a recuperação muscular.

ZMA é uma fórmula de suporte mineral, contendo uma forma altamente biodisponível de zinco, aspartato de magnésio e vitamina B6.

O conjunto desses ativos é capaz de aumentar os níveis de testosterona total, livre e IGF1, aumentando a potência muscular e desempenho físico.

Devido à eficácia documentada no aumento dos níveis de testosterona esse é o suplemento ideal para ser utilizado como uma alternativa segura e natural ao uso de pró-hormônio. ZMA também auxilia na melhora da qualidade do sono. Uma boa noite de sono é fundamental para promover a recuperação do tecido muscular e ativar a liberação do hormônio do crescimento.

O corpo libera quantidade máxima de GH (hormônio do crescimento) a cada noite, por volta de 90 minutos depois de dormir e, sendo assim, é fundamental que esses minerais e elementos (zinco, magnésio e vitamina B6) estejam disponíveis para serem usados pelo organismo nesse momento, ajudando no processo de recuperação do tecido muscular no pós-treino. Esse descanso e o suporte de minerais e vitamina é tão importante quanto a prática do exercício, pois melhorando a função muscular e a resistência, o resultado no desempenho físico será mais eficaz.

A manutenção da força é vital não somente para praticantes de atividades físicas, mas também pensando em um envelhecimento saudável, pois ajuda a manter a condição física, mobilidade e qualidade de vida de acordo com a idade, podendo ser usado por homens e mulheres.

Para mais informações consulte um de nossos farmacêuticos ou outro profissional da saúde.

Quer adquirir o seu ZMA? Dê uma conferida na nossa loja virtual.

ZMA – 90 CÁPSULAS – MAX TITANIUM

Vegan Protein

Vegan Protein

Mix de proteínas vegetais ideais para Veganos e Vegetarianos

Cada vez mais a busca por um modelo ideal de saúde tem despertado o interesse por uma alimentação mais saudável e que atenda as necessidades nutricionais.

Ser vegetariano, nos dias de hoje, pode ir muito além do que uma simples dieta, envolvendo valores éticos, religiosos e culturais. O vegetarianismo é subdivididos em grupos:

  • Ovolactovegetarianos – Que baseia-se em um de dieta vegetariana, podendo comer algum alimento de origem animal (ovos, leites, iogurtes e queijos);
  • Lactovegetarianos – Não consomem ovos ou produtos com ovos;
  • Vegetarianos estritos – Que além de não consumir carnes, como os grupos acima, ainda não consomem ovos (ou produtos que o contenham), laticínios (leite, queijo, iogurte), enfim, nada de origem animal.
  • Veganos – Que são na verdade vegetarianos estritos, que além de não consumir nada de origem animal, não usam roupas, produtos de beleza ou qualquer outra coisa que seja oriundo da exploração animal.

O fato é que independente de qualquer escolha dos grupos, é fundamental que a proteína esteja presente nas refeições.

As proteínas têm papel fundamental no nosso organismo, como defesa, reparação de tecidos, produção de enzimas, hormônios, neurotransmissores, a reposição de gasto energético entre outros.

Os alimentos de origem animal, que contém proteína, são considerados de alto valor biológico, ou seja, são absorvidos e utilizados pelo organismo de forma fácil e eficiente.

Os vegetarianos estritos, que não comem carnes ou outros alimentos de origem animal, devem combinar grãos e cereais para tornar a refeição mais rica em proteínas.

Vegan Protein (2)

Vegan protein é a combinação perfeita de proteínas vegetais do arroz e ervilha e apresenta um perfil ideal de aminoácidos essenciais de BCAA (Leucina, Isoleucina e Valina). De fácil digestão e hipoalergênico, o Vegan

Protein, pode ser consumido por intolerantes a lactose, proteína do leite, soja e ao gluten, oferecendo importante suporte protéico, para vegetarianos e veganos.

Para maiores informações consulte um de nossos farmacêuticos ou outro profissional da saúde.

Referencias: 
1.www.veganismo.org.br
2.www.svb.org.br – Sociedade Vegetariana Brasilrira 
3. www.guiadenutricao.com.br; 
4. www.embrafarma.com.br; 
5. https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/viewFile/1807-1384.2013v10n1p237/24902
Alopecia – Chega de queda!

Alopecia – Chega de queda!

Alopecia é uma condição que provoca perda excessiva de pelos e/ou cabelos em uma determinada área da pele. Existem vários tipos de alopecia e com diversas causas associadas ao seu desenvolvimento.

 

Os principais tipos de alopecia são:

  •  Alopecia Areata – Que tem grande participação auto-imune, onde suas células de defesa atacam suas próprias células (normalmente o estresse é o principal causador);
  • Alopecia Androgenética – Forma hereditária feminina ou masculina;
  • Alopecia Difusa – Relacionada a problemas endócrinos, medicamentosos e má nutrição;
  • Alopecia Seborréica – Devido ao aumento de sebo (ou gordura) no couro cabeludo que pode gerar caspas e favorecer a queda capilar;

A  Alopecia afeta ambos os sexos, todos os grupos raciais, podendo surgir em qualquer idade, no entanto, pesquisas têm demonstrado que 60% dos casos iniciam em jovens com menos de 20 anos de idade. Este fato é facilmente explicado pela correria do dia a dia e a busca pelo corpo perfeito, em que este grupo se enquadra, e muitas vezes acabam se submetendo a dietas restritivas, podendo acarretar em uma carência de substâncias essenciais para o bom desenvolvimento capilar.

Esse tipo de carência pode ser suplementado com aminoácidos, vitaminas e minerais. O cabelo é composto por até 60% de aminoácidos e uma dieta inadequada pode levar ao enfraquecimento dos fios, ocasionando a queda capilar.

Bons hábitos alimentares, prática de atividades físicas e a busca por uma qualidade de vida, minimizando fatores estressantes, colaboram para o equilíbrio benéfico do corpo.

Para maiores informações consulte um de nossos farmacêuticos ou outro profissional da saúde.

Fonte:
1. www.sdb.org.br (sociedade brasileira de dermatologia); 2. www.scielo.br/pdf/abd/v80n1/v80n01a09.pdf (Artigo de revisão)

 

Cães e gatos precisam de cuidados na praia

Cães e gatos precisam de cuidados na praia

Veterinária explica quais são os riscos em levar o seu pet ao litoral

Com o aumento da temperatura e a chegada do sol, a praia acaba sendo o destino escolhido para os fins de semana e feriados. Apesar dos alertas nas praias proibindo os animais de estimação na areia, muitos tutores arriscam e levam o pet para passear, imaginando que não vai fazer mal apenas dar uma voltinha. Porém, segundo a médica veterinária Kelly Cristina Choque, especialista em dermatologia do Hospital Veterinário Batel, ao fazer isso, o tutor está colocando em risco a sua saúde e do animal.

No caso dos humanos, os principais riscos são as doenças que podem ser transmitidas pelo contato com a areia da praia. “Os casos mais comuns são micoses de pele, bicho geográfico e parasitas de intestino. No caso das dermatites, as partes do corpo mais afetadas são pés, pernas e mãos. Nas crianças, esse tipo de problema é ainda mais recorrente, pois elas ficam mais tempo em contato com a areia”, alerta a veterinária.

Além disso, também existem os males que esse tipo de ambiente traz para os animais. Um dos principais problemas é a exposição à doença do verme do coração, que é transmitida por mosquitos encontrados com maior frequência no litoral. “Esse verme se aloja no coração do animal, provocando sintomas que podem demorar anos para aparecer, mas que costumam ter consequências muito graves. Além disso, trata-se de uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida a humanos, alojando-se no pulmão”, explica.

A médica relata que, no pet, os sintomas da doença são tosse, falta de ar, inchaço nos membros e na barriga, cansaço e língua arroxeada. “Para prevenir o contágio o animal deverá ser medicado antes e depois da viagem. Além disso, antes de realizar qualquer viagem com o pet, o ideal é levá-lo ao veterinário para avaliar suas condições de saúde”, recomenda.

Kelly explica que outros males também podem afetar cães e gatos que vão ao litoral como conjuntivite, problemas de peles, complicações intestinais e verminoses. “O contato com a areia da praia pode causar uma série de problemas, pois eles também ficam expostos às fezes de outros animais. Além disso, o contato constante com a água pode aumentar as chances de o pet ter alguma inflamação de ouvido”, aponta.

Para evitar todos esses problemas a veterinária indica que, antes de viajar com o animal de estimação, o tutor deve levá-lo ao veterinário e deixar as vacinas em dia. “Também é recomendado que o pet seja desverminado e receba algumas vacinas para prevenir a contaminação de determinadas doenças como a giardíase, por exemplo, que afeta o sistema intestinal dos cães”, aconselha

Vale lembrar ainda que, como o calor costuma ser maior no litoral, o cuidado com a desidratação precisa ser redobrado. “É fundamental deixar o pet sempre em um lugar fresco e manter água abundante à disposição, além de trocá-la constantemente. Se o dono for fazer algum passeio, o ideal é que seja feito no começo da manhã ou à noite, pois nesses horários a temperatura estará mais amena”, finaliza a veterinária.

Fonte: www.epoca.globo.com