Mesmo que muitas pessoas acreditem que sim, estar acima do peso não significa, exatamente, que você é uma pessoa obesa. Mas, o sobrepeso precisa fazer com que você sinta a necessidade de acender a famosa “luz vermelha” e estar mais alerta com os seus hábitos e sua saúde.

Um levantamento realizado pelo ministério da saúde apontou que, hoje, uma em cada cinco pessoas, apresentam obesidade e – o que mais assusta – é que cerca de 54% da população brasileira está acima do peso.

Com esse percentual absurdo, as complicações causadas pela obesidade ficam cada vez mais aparentes, como é o caso da impotência sexual, doenças cardíacas, hipertensão e até diabetes.

A questão estética, como você pode ver, está longe de ser um dos principais fatores para que você, que sofre com sobrepeso e corre risco de desenvolver obesidade, se preocupe com a doença. Na verdade, considerando todas as doenças causadas pela obesidade, a questão estética é um dos seus menores problemas.

 

Mas, quais são as principais causas da obesidade? O que fazer para não sofrer com a obesidade?

A obesidade possui várias causas, as principais vamos esclarecer aqui, como você já sabe. Mas, é importante que você saiba que existem diversas causas e que envolvem diversos fatores, como, por exemplo: genética, estilo de vida, emocional e até mesmo a sua criação pode influenciar.

E não é apenas isso, você pode correr o risco de apresentar obesidade por uma condição médica, como é o caso da síndrome de Prader-Willi e/ou a síndrome de Cushing.

As principais causas da obesidade, sendo elas as mais comuns, são:

1- Estresse

Sabia que o cortisol, que é um hormônio ligado à várias regulagens de funções metabólicas no organismo, é liberado em altíssima quantidade quando você fica estressado?

O que significa que, se você é uma pessoa muito estressada, é muito comum que você acabe com sobrepeso, afinal, as tensões do dia a dia corrido faz com que você fique ansioso e seu apetite aumente consideravelmente.

Na verdade, o estresse afeta o corpo de uma maneira extremamente drástica, não só liberando o cortisol, como também provocando várias outras alterações químicas. Uma das consequências do estresse, além do AVC e aneurismas, é a obesidade.

2- Problemas Hormonais

Os problemas hormonais são apontados como um dos causadores da obesidade por uma questão simples: quando você possui resistência à leptina, conhecido como “hormônio da fome”, a tarefa de controlar sua fome e até sua saciedade acaba por ficar bem mais difícil.

Então, diferente do que você e muitas outras pessoas pensem, talvez o seu excesso de peso e risco de obesidade esteja menos relacionado ao que você consome e muito mais relacionado ao problema que você possui.

Sua ida ao médico é extremamente importante para que você equilibre os seus hormônios de forma segura e não corra o risco de sofrer com a obesidade ou com qualquer outra doença.

3- Uso de alguns medicamentos (corticosteróides)

Dentre as principais causas da obesidade, o uso de alguns medicamentos pode fazer com que você tenha um “empurrãozinho” em direção à obesidade. Claro que esse não será o principal fator, mas, se já existe o risco de desenvolver a doença, é importante deixar esses medicamentos de lado.

O uso exagerado desses medicamentos pode fazer com que você tenha problemas de saúde sérios, como diabetes, alterações de hormônios, úlcera gástrica e, claro, obesidade.

4- Irregularidade no sono

A irregularidade no sono ativa genes da obesidade. Ou seja, se você, sendo um adulto, não dorme de 7 a 9 horas por noite, como é indicado por médicos e especialistas na área, você pode estar prejudicando diversas funções do seu organismo.

Mesmo que a insônia pareça inofensiva, é importante que você considere que, para ser um adulto saudável, você precisa estar em equilíbrio. Então, se você não consegue dormir a quantidade de horas que precisa, o mau humor e a sonolência vão vir como “sinais”, mas, em longo prazo, você pode sofrer não apenas com a obesidade, mas também com várias outras doenças.

5- Metabolismo

Com o metabolismo lento, é normal que a digestão seja mais demorada e, com isso, o seu corpo acaba por receber os nutrientes e obtenção do ciclo normal e natural do corpo de forma mais lenta, interferindo no gasto calórico também.

As pessoas que sofrem com a obesidade, na sua grande maioria, apresentam o metabolismo extremamente lento. E isso é um problema, afinal, o metabolismo lento faz com que as reações catabólicas sejam aumentadas, gerando a SM (síndrome metabólica.

Essa síndrome faz com que você tende a ter obesidade abdominal com aumento da pressão arterial, maior gordura no fígado, glicemia de jejum e triglicerídeos e, para finalizar, também causa diminuição do nível de colesterol HDL, que é conhecido por ser o “colesterol bom”.

6- Fluxo intestinal

Como você mesmo já sabe, a obesidade nem sempre é causada pela falta de controle, meta ou, até mesmo, pela vontade incontrolável de comer. A obesidade é complexa e possui várias causas, como, por exemplo, o fluxo intestinal.

Mesmo que você acredite ser impossível, saiba que, quando o fluxo intestinal não é constante – tudo aquilo que é ingerido não é eliminado (fezes), o que contribui para reserva – o seu peso aumenta.

Além do fluxo intestinal inconstante, o que influencia para o aumento de peso, correndo grandes riscos de levar à obesidade, são os micróbios que estão presentes na nossa flora intestinal.

Esses micróbios podem ser manipuladores, podendo favorecer o seu corpo, como não favorecer também. Quando os interesses desses micróbios não te favorece, é normal que eles alterem o comportamento alimentar e cause compulsões.

Talvez você esteja se perguntando o motivo para isso e, claro, o que define que os micróbios presentes no seu intestino vão te favorecer ou não.

E, a resposta não podia ser mais simples, o que define é a alimentação, então, é fundamental que você pense mais sobre o que você come, assim você irá conseguir um equilíbrio de bactérias e o seu corpo será favorecido por isso.

7- Sedentarismo

O sedentarismo é a “lei do mínimo esforço” e, claro, com a internet cada vez mais presente na vida das pessoas, o quadro de sedentarismo só está se agravando. O sedentarismo já passou de ser uma preocupação estética, hoje é um problema gravíssimo de saúde pública.

E sim, o sedentarismo leva à obesidade. E é extremamente simples de entender o motivo: você realiza o mínimo de esforço, não faz atividade física, não gasta as calorias que consome no dia a dia e, consequentemente, o número da balança só aumenta.

 

E agora, o que fazer?

Para você que apresenta sobrepeso/obesidade, a Organização Mundial de Saúde propõe a redução moderada na ingestão de energia como estratégia para redução de massa corporal, associada a exercícios físicos e as mudanças nos hábitos cotidianos.

O tratamento inicial do indivíduo obeso ou com sobrepeso visa promover perdas de 5-10% do peso inicial em até seis meses de tratamento, com manutenção do novo peso em longo prazo. Neste caso, o esperado é uma perda média de peso de 0,5 a 1 kg por semana.

A meta do acompanhamento deve ser o entendimento do próprio indivíduo a respeito do seu próprio corpo, do autocuidado, do resgate da sua autoestima e o controle das doenças associadas.

Geralmente, as pessoas buscam programas de perda de peso rápido; entretanto, deve-se ter em mente que essas mudanças, para a busca de uma vida saudável, podem ser de médio ou longo prazo, ou seja, em prazo maior que a expectativa.

Dietas mirabolantes ou extremamente radicais não são – nem de longe – aconselhadas, pois, mesmo que levem à perda de peso, ele tende a voltar, fazendo com que você corra o risco de sofrer com o efeito sanfona, tão ou mais prejudicial que a obesidade em si.

O diagnóstico e o tratamento devem ser feitos acompanhados por um médico farmacêutico ou nutricionista, especialmente nos casos de crianças, adolescentes e gestantes obesos.

 

Como combater as causas da obesidade?

Você já sabe quais são as principais causas da obesidade, porém, você deve estar se perguntando como descobrir quais das causas citadas anteriormente está impedindo você de perder peso, não é mesmo?

Para isso não existe uma fórmula mágica, mas sim, consultar quem realmente entende de saúde para lhe auxiliar nesse desafio que é a perda de peso.

Aqui na Phytoart nós contamos com farmacêuticos capacitados para auxiliar você. Entre em contato conosco e solicite seu atendimento farmacêutico. Estamos esperando para poder lhe ajudar da melhor maneira possível.

Atendimento Farmacêutico

Mudamos nosso número de WhatsApp!

Se você ainda não sabe então anote 😉📝

Nosso novo número é (11) 99141-7511

You have Successfully Subscribed!