Lactobacillus – Perda de peso, imunidade e bem-estar

Lactobacillus – Perda de peso, imunidade e bem-estar

Lactobacillus são micro-organismos que habitam nosso intestino e são indispensáveis para o equilíbrio de diversas funções e estado geral do organismo.

Do contrário ao que podemos pensar, essas “bactérias” dentro da nossa microbiota (flora intestinal) não significa sinal de doença, e sim uma potente “arma” para o bom funcionamento.

Quando adoecemos e fazemos o uso de antibióticos, além desse tipo de tratamento retirar as bactérias que estão causando a doença, elas acabam matando também as que nos protegem e ajudam a equilibrar favoravelmente a nossa microbiota.

Quando desequilibramos nossa microbiota (flora intestinal) chamamos de DISBIOSE. Com esse desequilíbrio de “bactérias do bem”, podemos estar superpopulando de bactérias maléficas, que são capazes de diminuir a absorção de vitaminas e minerais vindas da ingestão de alimentos, podendo resultar em sobrepeso.

A disbiose também inibe a formação de vitaminas produzidas no intestino, como a B12, e permite o crescimento desordenado de fungos e bactérias capazes de afetar o funcionamento do organismo.

Alguns sintomas indicativos para este tipo de situação são:

  • Prisão de ventre;
  • Gases;
  • Cólicas;
  • Diarréia;
  • Candidíase;
  • Desconforto abdominal;
  • Inchaço;
  • Sobrepeso.

A suplementação com lactobacillus além de favorecer a absorção de nutrientes, melhoram o sistema imune, diminui alergias alimentares, distúrbios gastrintestinais, auxiliando no combate a diarréia, formação de gases e até mau hálito.

Para podermos estar de bem com o nosso organismo e ainda dar aquela ajudinha para a perda de peso é de suma importância que tenhamos como aliados essas bactérias do bem e espantar apenas aquelas que, de fato, nos fazem mal.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

Referências:

1.Pascoal Valéria, Naves Andréia, Fonseca Ana Beatriz. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1a edição. São Paulo. 2007;
1.ncbi
2.scielo 
3. BVS


Vegan Protein

Vegan Protein

Mix de proteínas vegetais ideais para Veganos e Vegetarianos

Cada vez mais a busca por um modelo ideal de saúde tem despertado o interesse por uma alimentação mais saudável e que atenda as necessidades nutricionais.

Ser vegetariano, nos dias de hoje, pode ir muito além do que uma simples dieta, envolvendo valores éticos, religiosos e culturais. O vegetarianismo é subdivididos em grupos:

  • Ovolactovegetarianos – Que baseia-se em um de dieta vegetariana, podendo comer algum alimento de origem animal (ovos, leites, iogurtes e queijos);
  • Lactovegetarianos – Não consomem ovos ou produtos com ovos;
  • Vegetarianos estritos – Que além de não consumir carnes, como os grupos acima, ainda não consomem ovos (ou produtos que o contenham), laticínios (leite, queijo, iogurte), enfim, nada de origem animal.
  • Veganos – Que são na verdade vegetarianos estritos, que além de não consumir nada de origem animal, não usam roupas, produtos de beleza ou qualquer outra coisa que seja oriundo da exploração animal.

O fato é que independente de qualquer escolha dos grupos, é fundamental que a proteína esteja presente nas refeições.

As proteínas têm papel fundamental no nosso organismo, como defesa, reparação de tecidos, produção de enzimas, hormônios, neurotransmissores, a reposição de gasto energético entre outros.

Os alimentos de origem animal, que contém proteína, são considerados de alto valor biológico, ou seja, são absorvidos e utilizados pelo organismo de forma fácil e eficiente.

Os vegetarianos estritos, que não comem carnes ou outros alimentos de origem animal, devem combinar grãos e cereais para tornar a refeição mais rica em proteínas.

Vegan protein é a combinação perfeita de proteínas vegetais do arroz e ervilha e apresenta um perfil ideal de aminoácidos essenciais de BCAA (Leucina, Isoleucina e Valina). De fácil digestão e hipoalergênico, o Vegan

Protein, pode ser consumido por intolerantes a lactose, proteína do leite, soja e ao gluten, oferecendo importante suporte protéico, para vegetarianos e veganos.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

Referencias: 
1.www.veganismo.org.br
2.www.svb.org.br – Sociedade Vegetariana Brasilrira 
3. www.guiadenutricao.com.br; 
4. www.embrafarma.com.br; 
5. https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/viewFile/1807-1384.2013v10n1p237/24902


Prepare chás refrescantes neste verão

Prepare chás refrescantes neste verão

Bebida é fácil de fazer e ajuda a manter a hidratação do corpo

Sultana 2 (Versão brasileira)

Este chá que é a cara do Brasil leva açaí, guaraná em pó e mate solúvel. Não se esqueça de servir bem gelado. Confira a receita:

Ingredientes
1 polpa de açaí (100g)
1 colher de sobremesa de guaraná em pó
1 colher de chá de Mate solúvel
1 copo de água gelada

Modo de preparo
Bater todos os ingredientes no liquidificador e servir bem gelado.

 

Chá verde com maçã e hortelã

  • 300 ml de água fervente – 1 saquinho de chá verde – 4 raminhos de hortelã fresca – 100 ml de suco de maçã sem açúcar – 1 colher de sopa de suco de limão
  • Modo de preparo
  • Derrame a água fervente sobre o saquinho de chá e coloque 2 raminhos de hortelã. Deixe esfriar antes de acrescentar os sucos de maçã e limão. Leve a geladeira e depois sirva com os 2 raminhos de hortelã.
  • Rendimento
  • 1 porção
  • Total
  • 53 calorias

Tunisian Tea

O toque especial deste chá são as nozes. Com o chá verde e a hortelã, ele é perfeito para relaxar em um quente fim de tarde. Confira a receita:

Ingredientes:
1 colher se sopa de chá verde
1 ramo de hortelã
Açúcar a gosto
1 punhado de nozes

Modo de preparo
Em uma chaleira coloque a hortelã, o chá verde e o açúcar em ½ litro de água quente. Torre as nozes em uma assadeira adstringente sem nenhum condimento. Deixe tampado por 8 minutos e depois coloque as nozes picadas. Leve a geladeira e sirva bem gelado

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

 

Criança pode ter AVC: médico explica em quais casos e por que acontece

Criança pode ter AVC: médico explica em quais casos e por que acontece

O AVC (acidente vascular cerebral) é mais comum em pessoas acima dos 55 anos, mas, dependendo dos fatores de risco, pode acontecer em qualquer idade, inclusive adolescentes e crianças. Segundo o neurologista André Lima, especialista na prevenção do AVC, entre as principais causas do AVC estão diabetes, hipertensão, colesterol aumentado, tabagismo, uso de bebidas alcoólicas e sedentarismo. “Uma pessoa que fuma tem 50% mais chances de ter o problema, tanto o hemorrágico (por extravasamento de sangue em uma parte do cérebro) como o isquêmico (falta de sangue em uma parte do cérebro)”, afirma.

No caso do AVC em crianças, a causa é a anemia falciforme, que faz com que as hemácias produzidas pelo organismo tenham a forma de uma foice, causando obstrução dentro das artérias e levando ao AVC. Já entre os jovens, havendo algum dos fatores de risco, o problema pode acontecer. E quem teve AVC quando criança, tem mais chances de ter novamente quando mais velho.

Dicas para prevenir

Segundo o médico, a melhor forma de prevenção é a conscientização sobre a importância da adoção de hábitos saudáveis no dia a dia. “Podemos comparar nossas artérias ao encanamento da nossa casa. Se jogarmos muita gordura pela pia da cozinha, provavelmente, com o tempo, os canos vão entupir mais rápido que a tubulação que não tem gordura. É o que acontece com o nosso corpo – os vasos sanguíneos ficam entupidos, provocando a ineficiência da circulação do sangue no cérebro”, compara.

Ele orienta a população a tratar a pressão alta, colesterol e diabetes, além de manter uma alimentação saudável, com frutas, verduras e carnes brancas, somadas à prática de exercícios físicos e ao fim do tabagismo.

Sintomas do AVC

Caso a pessoa tenha um AVC, ele diz que o atendimento rápido é essencial. Para isso, é importante ter atenção aos sintomas e procurar um hospital o mais rápido possível assim que notar algum sinal como perda de força em metade do corpo, fala arrastada e face torta. “O início do tratamento deve ser feito em até 4h30”, explica.

A cura irá depender do tipo de AVC e do tratamento adequado. Se o paciente for socorrido a tempo, o risco de morte é reduzido e a recuperação pode acontecer sem deixar sequelas.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

Fonte: www.bolsademulher.com.br

 

 

Cafeína e Sono

Cafeína e Sono

Sem um gole de café pela manhã, sou indigente. Consigo trabalhar, falar o essencial e até raciocinar, mas em câmera lenta. É o primeiro cafezinho que me devolve a vontade de viver.

Um estudo recém-publicado na revista Science Translational Medicinemostra que, além das propriedades euforizantes, o café consumido à noite perturba o sono.

Até aí, minha avó sabia. O mérito de Burke e colaboradores, da Universidade de Zurique, foi elucidar os mecanismos moleculares por meio dos quais uma quantidade de cafeína equivalente a dois expressos, interfere com o ciclo circadiano – conjunto de reações do organismo que se repetem a cada 24 horas – controlador dos períodos de sono e vigília.

A cafeína é antagonista dos receptores da adenosina, substância essencial para que o sono se instale no cérebro.

Existem dois tipos de receptores cerebrais para a adenosina: o primeiro é considerado inibidor de sua ação (portanto do sono), enquanto o outro é facilitador.

A quantidade média de cafeína ingerida por qualquer um de nós, diariamente, é suficiente para antagonizar até 50% de ambos receptores, ação que nos deixa mais alerta, combate a fadiga, prolonga o tempo de vigília e reduz a profundidade do sono.

Como dormir é essencial para a saúde e a qualidade de vida, os ciclos de sono e vigília são regulados por uma sintonia fina existente entre os processos homeostáticos e os circadianos.

A necessidade homeostática de sono se acumula no decorrer do dia e se dissipa enquanto dormimos; já o relógio circadiano determina a hora de pegar no sono.

O marcador mais preciso para avaliar a necessidade de sono são as ondas lentas (ondas delta) que aparecem no eletroencefalograma, com frequências de 0,75 a 4,5 hertz. Como a cafeína atenua a atividade dessas ondas e bloqueia os receptores da adenosina, sua influência na homeostasia do sono havia sido sugerida há vários anos. O grupo de Burke investigou se ela também afeta o relógio circadiano.

Usando um protocolo rígido por um período de 49 dias, os autores quantificaram o efeito de 200 mg de cafeína, ingeridas 3 horas antes de ir para a cama, na produção de melatonina, o hormônio que controla o ritmo circadiano de diversos processos, entre os quais o de sono-vigília.

Verificaram que a cafeína atrasa 40 minutos no ritmo da melatonina, quase a metade do retardo causado pela exposição à luz brilhante.

Os autores concluem que as alterações provocadas pela cafeína nos mecanismos que regulam o relógio circadiano, podem contribuir para a alta incidência de distúrbios do sono na sociedade moderna. Além disso, a interferência da cafeína com as ondas de baixa frequência tem efeito negativo nas funções cerebrais que dependem da integridade dessas ondas.

Por outro lado, a cafeína pode ajudar a enfrentar o “jet lag” das viagens intercontinentais e os que sofrem de alguns distúrbios do ciclo circadiano de sono-vigília.

Para conciliar o prazer e as ações benéficas do café com a necessidade de dormir, costumo evitar o cafezinho nas oito horas que precedem o horário de ir para a cama.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

 

Cães e gatos precisam de cuidados na praia

Cães e gatos precisam de cuidados na praia

Veterinária explica quais são os riscos em levar o seu pet ao litoral

Com o aumento da temperatura e a chegada do sol, a praia acaba sendo o destino escolhido para os fins de semana e feriados. Apesar dos alertas nas praias proibindo os animais de estimação na areia, muitos tutores arriscam e levam o pet para passear, imaginando que não vai fazer mal apenas dar uma voltinha. Porém, segundo a médica veterinária Kelly Cristina Choque, especialista em dermatologia do Hospital Veterinário Batel, ao fazer isso, o tutor está colocando em risco a sua saúde e do animal.

No caso dos humanos, os principais riscos são as doenças que podem ser transmitidas pelo contato com a areia da praia. “Os casos mais comuns são micoses de pele, bicho geográfico e parasitas de intestino. No caso das dermatites, as partes do corpo mais afetadas são pés, pernas e mãos. Nas crianças, esse tipo de problema é ainda mais recorrente, pois elas ficam mais tempo em contato com a areia”, alerta a veterinária.

Além disso, também existem os males que esse tipo de ambiente traz para os animais. Um dos principais problemas é a exposição à doença do verme do coração, que é transmitida por mosquitos encontrados com maior frequência no litoral. “Esse verme se aloja no coração do animal, provocando sintomas que podem demorar anos para aparecer, mas que costumam ter consequências muito graves. Além disso, trata-se de uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida a humanos, alojando-se no pulmão”, explica.

A médica relata que, no pet, os sintomas da doença são tosse, falta de ar, inchaço nos membros e na barriga, cansaço e língua arroxeada. “Para prevenir o contágio o animal deverá ser medicado antes e depois da viagem. Além disso, antes de realizar qualquer viagem com o pet, o ideal é levá-lo ao veterinário para avaliar suas condições de saúde”, recomenda.

Kelly explica que outros males também podem afetar cães e gatos que vão ao litoral como conjuntivite, problemas de peles, complicações intestinais e verminoses. “O contato com a areia da praia pode causar uma série de problemas, pois eles também ficam expostos às fezes de outros animais. Além disso, o contato constante com a água pode aumentar as chances de o pet ter alguma inflamação de ouvido”, aponta.

Para evitar todos esses problemas a veterinária indica que, antes de viajar com o animal de estimação, o tutor deve levá-lo ao veterinário e deixar as vacinas em dia. “Também é recomendado que o pet seja desverminado e receba algumas vacinas para prevenir a contaminação de determinadas doenças como a giardíase, por exemplo, que afeta o sistema intestinal dos cães”, aconselha

Vale lembrar ainda que, como o calor costuma ser maior no litoral, o cuidado com a desidratação precisa ser redobrado. “É fundamental deixar o pet sempre em um lugar fresco e manter água abundante à disposição, além de trocá-la constantemente. Se o dono for fazer algum passeio, o ideal é que seja feito no começo da manhã ou à noite, pois nesses horários a temperatura estará mais amena”, finaliza a veterinária.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

 

COMUNICADO

 

A Phytoart está engajada na preocupação compartilhada por todos.

Diante disso, continuamos nossos atendimentos por Whatsapp (11) 99141-7511

De segunda à sexta das 9h às 18:30. Aos sábados das 9h às 13h

 

FIQUE ATENTO AOS NOVOS HORÁRIOS DAS LOJAS

 

UNIDADE LAPA

 

De segunda à sexta das 9h às 18:30h. Aos sábados das 9h às 13h.

 

UNIDADES PENHA E OSASCO

 

De segunda à sexta das 9h às 18h. Aos sábados das 9h às 13h

 

Reiteramos que estamos seguindo todas as recomendações da OMS e das entidades de classe.

 

Lembre-se. Estamos aqui por você. Se precisar sair use máscaras.

You have Successfully Subscribed!