Estudo relaciona vitamina B a colesterol bom

Estudo relaciona vitamina B a colesterol bom

Nutriente é encontrado em carnes, aves, peixes e leite

Bons níveis de colesterol HDL (o colesterol bom) no sangue ajudam na prevenção de doenças cardíacas, mas isso depende de hábitos de vida saudáveis, como prática de exercícios físicos. Um estudo publicado no periódico Metabolism, Clinical and Experimental aponta um novo hábito: consumir vitamina B.Pesquisadores da University of Florida College of Medicine-Jacksonville (EUA) observaram a interação entre um dos tipos da vitamina B, chamado ácido nicotínico, e células do fígado e do intestino humano. O nutriente é encontrado em carnes, aves, peixes, leite e suplementos vitamínicos e é utilizado pelo organismo para transformar carboidratos em energia.
Na análise, o ácido nicotínico aumentou a atividade de um gene responsável pela produção do principal componente do colesterol HDL, a apolipoproteína. Portanto, a vitamina B não só impede que o HDL saia do sangue, como ainda é capaz de aumentar a sua produção.Estudos anteriores já haviam relacionado a vitamina ao colesterol, mas somente no novo estudo descobriu-se que ela também pode aumentar a quantidade do colesterol bom no sangue. A novidade ainda deverá ajudar na fabricação de novos medicamentos para a doença.Mude os hábitos e controle o colesterolEmbora a palavra colesterol tenha adquirido um sentido pejorativo, ele é uma substância indispensável para o funcionamento do nosso metabolismo e está presente em todas as células do corpo. O problema é que existem dois tipos de colesterol: o HDL, chamado comumente de bom colesterol, e o LDL, o colesterol ruim. Em excesso, este último pode gerar diversas complicações para a saúde cardiovascular, podendo até levar à morte. Para evitar esses problemas, o Minha Vida reuniu quatro dicas de hábitos que ajudam a prevenir ou – para aqueles que já receberam o diagnóstico – controlar a doença. Confira:1. Optar pelo azeite de oliva Embora seja calórico, com recomendação diária máxima estipulada em duas colheres de sopa, o azeite de oliva não só ajuda a diminuir o mau colesterol (LDL) como ainda aumenta o bom colesterol (HDL), explica o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (Hcor), de São Paulo. Isso ocorre graças aos antioxidantes, como as gorduras monoinsaturadas e a vitamina E presentes no alimento.Mas, apesar de fornecer esses e outros benefícios, como a capacidade de controlar o diabetes tipo 2, o azeite não deve ser a primeira opção na hora de preparar alimentos fritos. Neste caso, o mais recomendado é usar o óleo de soja, uma vez que ele mostra mais resistência à formação de compostos tóxicos quando aquecido.2. Trocar a carne por peixe Para alguns, a associação entre peixes e ácidos graxos ômega 3 é imediata. Mas será que você sabe por que eles são tão bem-vindos na dieta? Um dos motivos é o fato de eles serem uma gordura boa, do tipo insaturada, que reduz, portanto, os níveis de colesterol e triglicérides do sangue.Além disso, como completa o cardiologista, eles ainda evitam a formação de coágulos que podem obstruir vasos, podendo causar um infarto. Ácidos graxos ômega 3 estão presentes em peixes, como salmão, truta e atum, e em outros alimentos, como linhaça, nozes, rúcula e milho.3. Praticar exercícios “Praticar exercícios físicos regularmente é uma maneira eficaz de aumentar a queima de gordura corporal, reduzindo o mau colesterol (LDL)”, aponta Daniel Magnoni. Treinos frequentes também atuam na perda de peso e no controle do diabetes e da pressão alta, problemas que muitas vezes acompanham quem está com colesterol alto. Resumindo: você melhora a sua saúde e, de quebra, ainda entra em forma.4. Consumir mais fibras Fibras não podem ficar de fora do cardápio de quem tem colesterol. Primeiro porque elas diminuem a absorção de gorduras pelo organismo, reduzindo o nível de LDL. “O outro motivo é o fato de elas aumentarem a excreção de colesterol na forma de bile”, esclarece o especialista.Assim, prefira alimentos integrais e consuma frutas com a casca, sempre que possível. Outro conselho é preferir a fruta em seu estado natural, pois, quando aquecida, ela perde parte de suas fibras. 
Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado? Converse conosco clicando no botão abaixo!
Atendimento Farmacêutico  
Como lidar com a depressão no ambiente de trabalho

Como lidar com a depressão no ambiente de trabalho

Saiba como a questão pode impactar o trabalho e quando é preciso comunicar os superiores

A depressão pode prejudicar a capacidade de a pessoa trabalhar e estudar, pode ocorrer desde um alentecimento do raciocínio, passando por dificuldades de concentração, até uma vontade de “passar o dia inteiro deitada na cama”. A depressão se caracteriza por uma constelação de sintomas e sinais incluindo:

  • sensação de tristeza, vazio ou falta de esperança a maior parte do tempo
  • grande iminuição da capacidade de sentir prazer ou do interesse em todas ou quase todas as atividades
  • aumento ou diminuição de apetite
  • insônia ou excesso de sono
  • agitação ou retardo psicomotor
  • fadiga e perda de energia
  • sentimento de inutilidade, culpa excessiva ou inadequada
  • capacidade diminuída de pensar, de concentrar-se ou indecisão
  • pensamentos de morte recorrentes, ideação suicida, tentativa de suicídio ou plano específico de cometer suicídio

Comunicar ou não aos superiores

Comunicar ou não o estado da pessoa aos seus superiores é uma questão complicada. Dependendo dos chefes, pode haver compreensão e mesmo estímulo no sentido de a pessoa se tratar. Entretanto, mesmo hoje em dia, há pessoas que têm preconceitos contra os transtornos psiquiátricos e consideram a depressão como uma espécie de fraqueza ou mesmo preguiça.

Se a depressão interferir na segurança da pessoa ou na de outros, é conveniente comunicar o problema aos superiores. Caso não seja este o caso, cabe à pessoa decidir. Uma coisa é certa: o médico jamais deve divulgar quaisquer dados a respeito do paciente, a não ser com expressa concordância deste. Em casos, por exemplo, em que há a necessidade de afastamento do serviço, cobertura dos custos do tratamento por planos de saúde ou afastamento pelo serviço de seguridade social, o médico deve advertir o paciente sobre a possibilidade de as informações caírem na mão de profissionais que não sejam da área de saúde (pois profissionais da área de saúde têm todos a obrigação de manter sigilo) e que este conhecimento pode trazer riscos para a estabilidade do emprego. Apesar de que, enquanto durar a doença e o tratamento, a pessoa não pode ser despedida, há patrões que não levam isto em consideração e, por outro lado, já houve casos em que, para não ter problemas trabalhistas, o patrão espera a melhora e, em seguida, desliga a pessoa de seu trabalho.

Como conseguir fazer o dia render?

Se a pessoa trabalhar numa área na qual o estado depressivo não traga riscos para ela própria ou para outros, ela poderá facilitar seu desempenho dividindo suas tarefas em vários segmentos. Por exemplo, um jornalista, nesta condição, ao invés de se lançar à produção de um texto jornalístico como um todo, deve proceder como um alpinista ao subir uma montanha, ou seja, só pensando em cada passo a ser seguido. Assim, o jornalista faz uma lista das pessoas a serem entrevistadas ou dos textos a serem lidos. Em seguida, lança-se apenas a uma tarefa que, por menor que seja, consiga executar, sem ter maiores ambições. Se conseguir apenas fazer a lista, num dado dia, pare por aí. Se, num outro dia, entrevistar uma das pessoas ou mesmo só marcar o horário da conversa, já deve admirar o seu trabalho pois, para alguém em depressão, todo esforço deve ser elogiado. Se sentir-se um pouco melhor fazendo intervalos entre cada tarefa, deve se permitir esta atitude. Assim, passo a passo, lentamente, a pessoa consegue realizar seu trabalho. Tratada a depressão, seu rendimento voltará ao normal.

Finalmente, colegas e superiores que souberem do estado da pessoa devem ser compreensivos e insistir para que a pessoa se trate. Há bons tratamentos para a depressão e, se os superiores e colegas tiverem a devida paciência, geralmente, no espaço de algumas semanas ou meses terão de volta o funcionário com toda a sua capacidade de trabalho.

 

Está com alguma dúvida? Quer um atendimento personalizado?
Converse conosco clicando no botão abaixo!

Atendimento Farmacêutico

 

 

Mudamos nosso número de WhatsApp!

Se você ainda não sabe então anote 😉📝

Nosso novo número é (11) 99141-7511

You have Successfully Subscribed!