Matriz – Rua Barão de Jundiaí, 199 Lapa – São Paulo

Orçamento por WhatsApp

 (11) 99141-7511

O que causa a queda de cabelo? Conheça as 9 principais causas!

Certos fatores podem levar tanto o homem quanto a mulher a apresentar queda de cabelo. Saiba quais são e porque elas exigem a sua atenção.

Não se preocupe em ver algum fio de cabelo seu caído durante o dia. Segundo especialistas, é normal perdermos de 100 a 150 fios diariamente, o que é pouco comparado a aproximadamente 150 mil fios de cabelos que compõe o nosso couro cabeludo. Fora isso, é necessária uma atenção maior caso a queda de cabelo seja mais acentuada.

A queda de cabelo mais acentuada é mais comum em homens do que mulheres, sendo que ocorre em mais da metade da população masculina e apenas em aproximadamente 10% da população feminina. Porém, após os 40 anos esse problema tende a se intensificar cada vez mais.

Essa condição acomete mais homens do que mulheres, pois a queda de cabelo está diretamente ligada à presença dos hormônios masculinos, em especial a testosterona. Por esse motivo o caso de queda de cabelo em mulheres é mais raro, já que não produzem testosterona na mesma quantidade que homens.

É importante entender que os fios do nosso cabelo possuem um ciclo de vida, ou seja, eles nascem, crescem e caem naturalmente. Essas fases são conhecidas como anágena (crescimento ativo, cerca de 90% dos fios), catágena (deterioração, menos de 10% dos fios) e telógena (repouso, 5% a 10% dos fios). Os fios caem durante a fase telógena.

Como identificar a queda de cabelo?

A queda de cabelo pode ocorrer de várias maneiras dependendo da sua causa. Essa perda pode ocorrer de forma gradual ou repentina e afetar apenas os cabelos ou todos os pelos do corpo. Além disso, a queda de cabelo pode ser temporária ou permanente.

Essa queda de cabelo pode ser identificada pela diminuição gradual dos fios na cabeça fora do comum e por áreas calvas espalhadas pela região do couro cabeludo.

Mas afinal, o que causa a queda de cabelos?

A queda de cabelo pode ocorrer por inúmeros fatores que vão desde condições genéticas até fatores externos, algumas delas são bem simples de se identificar e tratar e a perda de cabelo causada pode ser revertida ao longo do tempo. Dentre as diversas estão as seguintes:

Hereditariedade e Genética

A principal causa da queda de cabelo é hereditária, tanto para homem quanto para mulher.

Mesmo que seus pais tenham bastante cabelo, você não está 100% seguro, pois a calvície pode pular gerações.

Essa condição genética, chamada de alopecia androgenética, ocorre de forma gradual com o avanço da idade e de modo previsível com o aumento das falhas e “entradas” nos homens e o afinamento do fio nas mulheres.

Alterações hormonais

A alteração hormonal é outro fator que causa a queda de cabelo, ainda mais quando o hormônio afetado são os andrógenos, como a testosterona, e pode acontecer em várias fases da vida, em especial na adolescência e durante ou após a gravidez.

Nas mulheres, quando há uma produção em larga escala de testosterona, pode acabar levando a formação de cistos nos ovários, condição conhecida como Ovário policístico. O excesso de testosterona ainda desencadeia acne, crescimento de pelos no corpo e ciclo menstrual irregular, sintomas que são notados antes da queda de cabelo. Estima-se que por volta de 20% das mulheres em idade reprodutiva sofram dessa condição.

Além disso, mulheres que trocam de pílula ou começam um novo tratamento anticoncepcional a base de hormônios também pode apresentar queda de cabelo temporária.

Gravidez

A queda de cabelo durante a gravidez não é um sintoma frequente, pois, normalmente, o cabelo fica mais grosso nesse período. Porém, a queda de cabelo pode ser causada pelo aumento do hormônio progesterona que pode ressecar o cabelo, deixando-o mais fraco e quebradiço. Assim, os fios de cabelo podem partir perto da raiz ao ser escovado.

Já em mulheres pós-parto, a queda de cabelo se torna mais comum devido às alterações hormonais que continuam a acontecer no organismo, por conta do estresse do parto ou por carência nutricional. Normalmente a queda de cabelo aparece logo nos primeiros 3 meses após o parto e a queda pode persistir por até 2 meses.

Hipertireoidismo e Hipotireoidismo

A glândula da tireoide alojada no pescoço é responsável por ditar o ritmo do organismo, incluindo os processos de crescimento e renovação capilar. Quando a tireoide não está funcionando corretamente ela pode causar a queda de cabelo de duas formas.

No caso do hipertireoidismo, a tireoide passa a fabricar doses elevadas dos hormônios T3 e T4, o que acaba acelerando a reposição celular do couro cabeludo, o que deixa o coro cabeludo mais exposto.

Já no hipotireoidismo, os hormônios T3 e T4 não são produzidos corretamente ou em quantidade suficiente. Nesse caso o metabolismo apresenta uma maior dificuldade de desenvolver e crescer novos fios de cabelos.

Há também pessoas com uma versão leve (ou subclínica) de Hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Nesses casos fica difícil saber se essas alterações na tireoide seriam responsáveis pela queda de cabelo.

Emocional

Os principais problemas emocionais que causam a queda de cabelo é a ansiedade, depressão e principalmente o excesso de estresse, tanto físico como mental

É claro que um momento de estresse isolado não vai acarretar a queda de cabelo e, caso aconteça, essa queda é temporária. Porém, quando o estresse é constante pode acarretar o eflúvio telógeno, condição que faz com que muitos folículos pilosos entre em uma fase de repouso acarretando a queda de cabelo após alguns meses

Em alguns casos, problemas emocionais podem levar a um transtorno psicológico conhecido como tricotilomania. Pessoas que sofrem desse transtorno tem impulsos de arrancar os fios de cabelo para tentar controlar a ansiedade e o nervosismo. Nos casos mais graves acabam ficando calvas ou com grandes falhas no cabelo.

Além disso, quando existe outro fator ocasionando a queda de cabelo, como problemas genéticos, o fator emocional acaba, em alguns casos, agravando e acelerando essa queda de cabelo, pois cria-se uma bagunça hormonal que prejudica a saúde dos fios.

Doenças autoimunes

Doença autoimune é uma condição genética incurável na qual o sistema imunológico ataca o próprio organismo.

A principal doença autoimune é a alopecia areata, quando o sistema imunológico ataca os folículos pilosos, estrutura dérmica que tem como função revestir e produzir o fio de cabelo, causando queda repentina de cabelo que começa com uma ou mais áreas calvas circulares que podem se sobrepor. Em casos mais raros todo o cabelo pode cair.

Outra doença autoimune que pode ocasionar a queda de cabelo é a psoríase, doença na qual as células da pele se acumulam e formam escamas e manchas secas que se estendem às entradas da testa e causam coceira. Isso compromete o crescimento de cabelo nas áreas afetadas por causar coceira e por conta da inflamação causada no local.

Nutricional

Outra causa comum de queda de cabelo é a deficiência nutricional. Uma alimentação ruim ou a deficiência em absorver certos nutrientes e minerais pode gerar deficiência de ferro, que é a desordem nutricional mais comum do mundo, conhecida como anemia ferropênica.

O ferro ajuda a manter a saúde do cabelo, mas ele não é o único nutriente que merece atenção. Zinco, cobre, proteínas, entre outros, também auxiliam na manutenção dos fios

A carência de ferro leva a uma queda na concentração de hemoglobina, proteína presente em células do sangue que é fundamental para o transporte de oxigênio. Sem ferro suficiente, os glóbulos vermelhos não conseguem transportar a quantidade necessária de oxigênio para os tecidos do corpo. Esse déficit de oxigênio acaba prejudicando a resistência dos fios, deixando-os mais suscetíveis a cair.

Por isso é importante tomar cuidado ao entrar em uma dieta muito restritiva, pois isso pode levar a um déficit de nutrientes e minerais, prejudicando a sua saúde e a do seu cabelo. Nesse caso é aconselhável o uso de suplemento alimentar. Lembrando sempre de consultar um profissional da saúde antes de se automedicar.

Uso de medicamentos

Alguns tipos de medicamentos, como os antidepressivos, anticoagulantes, remédios para pressão alta, para o tratamento do câncer, artrite, e problemas cardíacos podem ter como efeito colateral a queda de cabelo, especialmente no início do tratamento ou quando o medicamento é usado por muito tempo.

O uso desses medicamentos pode causar eflúvio anágeno, condição conhecida pela queda anormal de cabelo durante a primeira fase (anágena) do ciclo de crescimento do cabelo. Após o fim do uso desses medicamentos e cessado o efeito, o cabelo pode não crescer da mesma forma que anteriormente e apresentar alterações de cor e textura.

Maus-tratos ao cabelo

Por fim, e não menos importante, a forma como você trata o seu cabelo também influencia na sua saúde capilar. O erro mais comum é no uso excessivo de produtos químicos e de higiene capilar. Ou seja, produtos como descolorantes, alisadores, shamppos, entre outros, quando usados em excesso ou fora do intervalo de uso recomendado pelo fabricante pode acarretar uma queda mais acentuada do cabelo.

Outro problema, que é mais comum em mulheres, é o uso de penteados muito apertados que podem acabar gerando a queda de cabelo causada pela tração excessiva, repetida e prolongada, termo conhecido como alopecia por tração. Isso vale também para tranças, megahair ou pessoas que passam longos períodos com o cabelo preso.

Apesar de parecer um problema simples de ser resolvido, a alopecia por tração requer atenção, pois pode ocasionar a queda capilar e a interrupção permanente do nascimento de novos fios, causadas pelo atrofiamento da raiz do cabelo que resultam na cicatrização e falhas irreversíveis. 

Conclusão

Como foi visto, a queda de cabelo pode ocorrer por diversas causas. Elas podem ocorrer sozinhas ou simultaneamente, o que deixa o problema da queda de cabelo mais séria e difícil de tratar. A boa notícia é que a grande parte desses problemas que levam à queda de cabelo tem solução ou tratamento. Mas lembre-se, não se automedique para tratar a queda de cabelo, pois pode colocar sua saúde em risco. É aconselhável a orientação de um profissional da saúde para investigar a causa e indicar o melhor tratamento.

Quer uma ajuda para cuidar dos seus cabelos?

A PhytoArt tem mais de 30 anos no mercado de remédios manipulados, se tornando uma referência dentre os profissionais da área e amada por seus clientes.

Converse com um de nossos farmacêuticos nos nossos canais de comunicação, temos certeza de que iremos te ajudar nas suas metas!

Compartilhe essa publicação

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário.

Sobre a Phytoart

Inaugurada em 1987, a PhytoArt aprimorou seus processos, desenvolveu novos serviços e consolidou-se como uma das mais qualificadas farmácias de manipulação da grande São Paulo e capital.

Publicações recentes

Acompanhe a gente!